© Grupo Diversidade Niterói (GDN) - Fundado em 24/01/2004 - Patrimônio Cultural Imaterial de Niterói - Ponto de Cultura

 

Av. Visconde do Rio Branco, 627, sobreloja, Centro, Niterói, RJ - (21) 3617-0251 - gdn.gdn@hotmail.com  -  CNPJ: 07.411.985/0001-97

  • Facebook App Icon

Açao de divulgação com militantes - 2005

 Multidão presente na Parada LGBT - 2008

Núcleo de Mães do GDN presntes na

1a Parada -2005

Ação de prevenção às DST-ADIS

com mitantes - 2009

Ação de divulgação com mitantes - 2007

Símbolo do movimento LGBT na Praia de Icaraí - 2006

O GDN nasceu nas discussões de um grupo da cidade sobre o movimento LGBT (lésbico, gay, bissexual, travesti, transexual e transgênero) brasileiro. Já pensávamos em montar um grupo há algum tempo e em meados de 2003 a idéia começou a ganhar forma depois das Paradas do Orgulho de São Paulo e do Rio de Janeiro.

 

Ficamos incomodados por perceber a grande participação de Niterói nestes eventos e a total apatia dentro da cidade tanto na questão da luta política, quanto na questão de entretenimento mais específico para o público GLS. Fizemos então alguns contatos com grupos maiores, como o GAI (Grupo Arco-Íris), e começamos a nos movimentar: Participamos dos debates sobre união civil na ALERJ, do primeiro Finde GLS de Búzios e de outras atividades do movimento.

 

O Grupo foi ganhando cara e espaço, então começamos os processos legais de fundação. Fizemos o Curso Somos do Ministério da Saúde, que visa fomentar projetos de ONG's que trabalhem com prevenção de DST/AIDS e participamos do II Encontro Fluminense de Profissionais do Sexo. Este encontro foi muito importante e esclarecedor para nós, pois percebemos que mais do que michês e travestis, que sofrem terríveis discriminações e violências por conta de trabalharem com prostituição, as mulheres são o principal alvo do preconceito neste caso.

 

Começamos então a ampliar nossa discussão e vimos que as profissionais do sexo também são discriminadas pelo uso que fazem de sua sexualidade. E haveria algum "grupo social" mais discriminado por questão sexual do que as mulheres? São elas as grandes vítimas históricas do machismo e do preconceito!! Vimos então que nossa luta era uma só: a luta contra o preconceito!! Vimos que a nossa luta era uma luta diversa, e por diversidade.

 

Assim, nasceu nosso grupo: um grupo que luta pelos direitos e pelo fim do preconceito contra mulheres, gays, travestis, lésbicas, bissexuais, transexuais, profissionais do sexo, transgêneros e qualquer outra pessoa que seja discriminada por gênero ou por sua orientação sexual ou pela forma como decide viver sua sexualidade. Uma luta plural, mas não planificada. E uma luta cheia de especificidades, mas que foge do gueto.

 

Acreditamos que a opção de quem amar e de com quem se transa é uma questão absolutamente pessoal e não interessa a mais ninguém, senão às pessoas envolvidas naquela relação. Acreditamos que todos temos que ser respeitados como cidadãos que somos, e para isso temos que exigir nossos direitos, lutar por eles.

 

O mais interessante do GDN é que ele é muito misto, não tendo preconceitos nem em sua formação. Assim temos muitos héteros que trabalham conosco, lutando contra o preconceito e mesmo trabalhando na liderança do grupo. Acreditamos que não é preciso ser negro para achar a discriminação racial um absurdo e lutar contra ela. Assim como é possível ser hétero e lutar pelos direitos dos gays, ser lésbica e lutar pelo direito das travestis ou ser homem e lutar pelos direitos das mulheres.

 

Estamos há mais de dez anos construindo um grupo muito afinado e unido, que constroi a luta de toda a comunidade LGBT não só em Niterói, como no Rio de Janeiro e no Brasil. 

 

Vale a pena sonhar, vale a pena lutar!